quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Testosterona

O que é a testosterona?

A testosterona é o hormônio sexual masculino responsável pelas características masculinas. Ele aciona o pênis e os testículos para formar em um feto. Na puberdade, faz com que o pênis e os testículos a crescer. Também faz com que os pêlos faciais e pubianos para crescer, a voz mais grave, e da massa muscular e força para aumentar. Ele governa onde a gordura é distribuída no corpo e supervisiona o aumento da altura do corpo que ocorre durante a adolescência. A testosterona também controla o impulso sexual ea produção de espermatozóides.
A testosterona é feita pelos testículos. Uma pequena quantidade também é feita pelas glândulas supra-renais, localizadas na parte superior dos rins. (Nas mulheres, pequenas quantidades de testosterona são feitas pelos ovários).
A produção de testosterona é controlada por um processo complicado, que começa em uma parte do cérebro chamada hipotálamo. O hipotálamo envia um hormônio chamado hormônio liberador de gonadotropina (GnRH) na glândula pituitária. A glândula pituitária torna hormônio luteinizante (LH), que sinaliza os testículos produzem testosterona. Quando há bastante testosterona, o hipotálamo envia uma mensagem para o prazer pituitária para parar de fazer LH, e os testículos desacelerar a produção de testosterona. Em um homem adulto, cerca de 7 mg de testosterona é feita a cada dia.
A produção de testosterona atinge o seu pico durante a adolescência e idade adulta jovem. A gama do que é considerado um nível "normal" de testosterona varia muito. Os níveis de testosterona normalmente declínio como um homem envelhece, mas nunca cair para zero, como o estrogênio faz por uma mulher quando ela atinge a menopausa.

Causas de baixos níveis de testosterona

Em homens jovens, um nível de testosterona, que é muito baixo pode ser causado por doenças genéticas, tais como:
  • Síndrome de Klinefelter, uma doença na qual os homens têm um cromossomo X extra
  • Hemocromatose, uma desordem na qual o excesso de ferro é depositado nos tecidos do corpo, incluindo a glândula pituitária
  • Síndrome de Kallmann, uma doença genética que afeta o cromossomo X em homens
  • Prader-Willi, um distúrbio no qual os órgãos genitais são subdesenvolvidos, muitas vezes os testículos não descem
  • Distrofia miotônica, distrofia muscular ou adulto
Outras causas em homens jovens incluem:
  • Trauma aos testículos
  • Inflamação dos testículos, muitas vezes causados ​​por ficar caxumba após a puberdade
  • Tratamento com radiação ou quimioterapia
  • Tratamento de tumores de testículos
  • Castração para câncer dos testículos
  • Tumores da glândula pituitária
  • Medicamentos, como analgésicos narcóticos, esteróides anabolizantes e prednisona
  • HIV / AIDS
  • Doenças médicas, tais como tuberculose, infecção fúngica e doenças auto-imune que afeta a glândula pituitária
Envelhecimento provoca uma diminuição normal na produção de testosterona nos homens. Isso às vezes é chamado de "andropausa". Andropausa ocorre geralmente entre as idades de 40 e 55. Começando por volta dos 40 anos, a produção de testosterona diminui cerca de 1 por cento cada ano.

Sintomas de níveis baixos de testosterona

O declínio nos níveis de testosterona normais por causa do envelhecimento faz com que os níveis de hormônio de alguns homens a descer mais do que outros. Alguns homens têm mais sintomas do que os outros homens. Sintomas de níveis baixos de testosterona em homens mais velhos também podem ser sintomas de muitas outras doenças.
Converse com seu médico se você tem algum destes sintomas:
  • Diminuição progressiva da massa muscular
  • Desejo ou diminuir o interesse pelo sexo (libido)
  • Disfunção erétil (DE)
  • Sentindo-se ganho de gordura / peso
  • Problemas de sono
  • Irritabilidade ou raiva
  • Perda de motivação
  • Perda da unidade no trabalho
  • Nervosismo
  • Problemas com a memória ea concentração
  • Indecisão
  • Baixa auto-confiança
  • Cansaço
  • Depressão
  • Mudanças de humor
  • Perda de energia
  • Perda óssea

Diagnóstico de baixos níveis de testosterona

Um simples exame de sangue pode determinar o seu nível de testosterona. O teste de testosterona total é o mais comum. Este teste deve ser feito na parte da manhã, quando os testículos geralmente liberar mais testosterona. Resultados normais geralmente variam de 300 a 1000 ng / dL (ou 10-38 nmol / L). A nível de testosterona total, que é repetidamente menos de 250 ng / dL (8,5 nmol / L) indica um nível muito baixo de produção de testosterona. Tratamento para substituir a testosterona pode ser necessária. Porque um nível normal de testosterona é diferente para cada homem, no entanto, pode ser difícil saber se você tem níveis baixos de testosterona, com apenas um teste, você pode precisar de vários testes tomadas ao longo do tempo.
Cerca de 98 por cento da testosterona transportadas no sangue está ligada às duas proteínas e não está disponível para os tecidos do corpo. Os 2 por cento restantes, que circula livremente, faz com que os efeitos sobre os tecidos do corpo. Enquanto os homens envelhecem, mais testosterona está ligada por proteínas. Muito pouca testosterona livre pode causar os sintomas listados acima.

Tratamento

Para os homens cujos testículos produzem testosterona muito pouco ou nenhum (uma doença chamada hipogonadismo), os prestadores de cuidados de saúde pode prescrever a terapia de reposição de testosterona (TRT). TRT trabalha para restaurar o impulso sexual, fertilidade, força muscular e prevenir a perda óssea. Mas os benefícios de longo prazo e os riscos do TRT em indivíduos saudáveis, os homens de envelhecimento não foram estudados.
Na maioria dos estudos de curto prazo, diminuição da massa gorda TRT de um homem, aumento da massa muscular, força melhorado e aumento da densidade óssea. ED porque geralmente tem outras causas que a testosterona baixa, TRT não ajuda na maioria dos casos ED.
Altas doses de testosterona pode causar problemas de sono e infertilidade, e aumentar o risco de acidente vascular cerebral. Além disso, altas doses de testosterona pode causar crescimento (não cancerosos) benigna da próstata. Isso pode levar a uma doença chamada hiperplasia prostática benigna (BPH). Se um câncer de próstata detectados está presente, especialistas temem que poderia causar TRT rápido crescimento do câncer. Aumento dos seios e acne também podem ser efeitos colaterais do TRT.
TRT pode ser administrado em injeções a cada duas a três semanas; por manchas na pele, e por pellets implantado que são inseridos a cada 4-6 meses. Um formulário recentemente aprovado de testosterona é por comprimido e colocado sob a língua ou ao lado da goma. A testosterona não é administrado por via oral, porque pode afetar o fígado, os níveis de colesterol total, e diminuição da lipoproteína de alta densidade (HDL), o colesterol "bom". 


A vida sexual é importantíssima para grande parte das pessoas e na manutenção das relações amorosas. O que poucos homens sabem é que a queda no desempenho pode ser revertida. Ao chegar aos 50 anos, já há um descréscimo de 10% a 20% nos níveis de testosterona, – principal hormônio masculino – e isso se reflete não só no desempenho na cama, mas também em outros aspectos da saúde. Além da diminuição do desejo sexual e da capacidade de ereção, há redução do crescimento da barba e de pelos, perda de força muscular e desenvolvimento de gordura, principalmente na região abdominal, e até menor atividade no cérebro. Esses são alguns sintomas que podem estar todos relacionados com uma mesma causa: o distúrbio androgênico do envelhecimento masculino (DAEM). Depressão, ansiedade, sonolência e irritabilidade são outras características relacionadas.
A queda na produção da testosterona ocorre, em geral, a partir dos 40 anos, com perda entre 1% e 2% do hormônio total disponível por ano. Muitas vezes, os sintomas são confundidos com estresse profissional ou pessoal. Cerca de 20% dos homens apresentam esse problema. Quando notar que algo não vai bem, deve procurar um médico o quanto antes, pois, assim, pode se tratar e evitar perda de qualidade de vida. É muito comum encontrar pacientes infelizes com o quadro provocado pela DAEM. Os sintomas não necessariamente aparecem todos juntos e a intensidade pode variar. A queda nos níveis de testosterona, a longo prazo, pode estar associada ao desenvolvimento de níveis anormais de colesterol e à síndrome metabólica, o que aumenta inevitavelmente a probabilidade de manifestação de doença cardíaca, acidente vascular cerebral e ataque cardíaco.

Como tratar
O tratamento se dá com a reposição do hormônio. "O único princípio ativo por via oral que considero seguro é o undecilato de testosterona, mas ele não é vendido no Brasil. A mesterolona e outros disponíveis no mercado não devem ser usados, pois são tóxicos para o fígado", afirma Eduardo Bertero, urologista especialista em disfunção social. "O problema do comprimido é que não temos a certeza de que o paciente vai absorver a quantidade que prescrevemos. O organismo de cada um tem diferentes taxas de absorção. Além disso, são necessários muitos comprimidos ao dia, de seis a oito, o que também onera o tratamento", pondera o médico.
Há adesivos subcutâneos e gel que precisam ser importados. Algumas farmácias de manipulação oferecem o gel e outra opção são as versões injetáveis. Há uma de curta duração, que o paciente recebe doses a cada duas ou três semanas. Mas essa modalidade tem um importante inconveniente: ela ocasiona picos supra e subfisiológicos. Ou seja, quando recebe a injeção, os níveis de testosterona vão acima do normal e chega a picos de 1,6 mil nanogramas por decilitro de sangue (ng/dl), quando o máximo são 800ng/dl. E entre sete e 12 dias cai para 200ng/dl. Essa variação não é boa para o organismo", comenta o urologista.
A outra opção, e preferida de Eduardo Bertero, é a injeção de longa duração. "O medicamento é administrado em aplicações trimestrais, via injeção intramuscular. Seu mecanismo de ação libera gradualmente o hormônio, mantendo os níveis de testosterona normais por mais tempo", relata. Cada aplicação custa cerca de R$ 300.

Curiosidades
  • Os termos andropausa ou menopausa masculina são frequentemente usados para definir o distúrbio androgênico do envelhecimento masculino (Daem). Mas são inapropriados e biologicamente incorretos, já que o decréscimo da produção de testosterona não é um fenômeno isolado, ocorrendo em conjunto com outras alterações fisiológicas relevantes. Além disso, o declínio hormonal da mulher é bem mais acentuado e há falência funcional dos ovários, o que não ocorre com os testículos.
  • Estudo clínico alemão divulgado em 2008 com 117 pacientes diagnosticados com o distúrbio e acompanhados durante 15 meses revelou queda na taxa média da proteína C-reativa de 3,5 para 2 miligramas por decilitro de sangue depois de realizarem terapia hormonal com undecilato de testosterona. A normalização dos níveis hormonais se mostrou benéfica, já que a proteína C-reativa favorece o desencadeamento de um processo inflamatório ligado ao aumento do risco cardiovascular.
  • Diferentes estudos têm evidenciado que a queda das taxas de testosterona não está relacionada isoladamente ao avanço da idade. Essa diminuição está ligada a males crônicos, especialmente aqueles que representam alto risco para o desenvolvimento de doenças metabólicas e cardiovasculares: diabetes tipo 2, obesidade, hipertensão e dislipidemia (colesterol alto).
  • Aproximadamente, 20% dos homens com idade entre 60 e 80 anos e mais de 35% daqueles com mais de 80 anos apresentarão sintomas da baixa hormonal.
  • A diminuição no consumo dos açúcares, o equilíbrio entre os lipídios ingeridos, controle do peso, exercícios físicos regulares e o monitoramento dos índices hormonais, com ou sem a reposição, contribuem para o restabelecimento de um padrão de vida. Vários alimentos auxiliam e equilibram a produção dos hormônios e aumentam a resistência imunológica. Portanto, é preciso atenção aos hábitos alimentares, mas, no geral, não existe uma dieta única para todos, pois cada indivíduo tem necessidades específicas.
  • Há uma oscilação natural nos níveis de testosterona no organismo. Por isso, o ideal é sempre, ao buscar fechar o diagnóstico, fazer dois exames intervalados para medir os níveis do hormônio. Há de se verificar, ainda, o nível da testosterona livre, pois os níveis de testosterona total podem estar na faixa normal e a testosterona livre em baixa. Isto ocorre porque, com a idade, há uma elevação da proteína ligadora dos esteroides sexuais (SHBG), que imobiliza o hormônio masculino e não permite sua ação nos tecidos. Somente de 2% a 3% da testosterona plasmática é livre de ligação proteica.

Personagem a notícia
Qualidade de vida resgatada - José Silva (nome fictício)
Aos 52 anos, o mineiro José Silva (nome fictício) faz tratamento há dois e diz que recuperou sua qualidade de vida. "Estava com muita gordura abdominal, pouco apetite sexual e motivação. Sentindo coisas que nunca senti e com frequentes lesões musculares. Foi difícil descobrir que se tratava do distúrbio androgênico do envelhecimento masculino. Quando comecei o tratamento, todos esses sintomas foram melhorando. Foi um espetáculo. Voltei a me sentir muito bem. Fico pensando em quantos homens não sabem que têm a doença e ficam tristes, deprimidos, sendo que poderiam reaver sua qualidade de vida, a saúde física, mental e até de um relacionamento", enfatiza.

Reposição precisa de controle regular
Os pacientes que se submetem à terapia de reposição hormonal (TRH) têm que fazer controle regularmente. Devem retornar ao médico a cada seis ou nove meses. “Os efeitos colaterais mais comuns são inchaço das pernas e aumento na produção de glóbulos vermelhos. O que demanda a suspensão do tratamento. Mas são muito raros. Em caso de suspeita de câncer de próstata, a reposição hormonal também não deve ser feita. Mas está liberada para pacientes que tiveram o câncer e já estão curados”, explica Bertero.
A deficiência de testosterona não tratada pode causar osteoporose. O que é agravado pelo fato de que a deficiência hormonal também leva ao enfraquecimento dos músculos, que sustentam o esqueleto. O perigo de fraturas é particularmente maior entre os homens que apresentam outros fatores de risco de osteoporose. Os homens precisam estar atentos, pois algumas doenças e o próprio envelhecimento otimizam os sinais da DAEM. Entre tantos sinais e sintomas da DAEM, um dos maiores é a ausência de ereções espontâneas pela manhã. Como a produção de espermatozoides é controlada pela testosterona, a infertilidade também pode ser um dos sinais. Naqueles que apresentam maior produção de glóbulos vermelhos (hemácias), a anemia pode ser um indício.
fonte:em.com.br-MG
 
  

contato: 
email:lucianofisiol@gmail.com
        facebook: luciano sousa luciano sousa
 
Postar um comentário